Mato Grosso, 13 de Outubro de 2019
Esportes
Às vésperas do UFC Rio, José Aldo evita "assunto" McGregor: "Não falo sobre m***"
08.05.2019
08:15
FONTE: Globo Esporte

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • Foto - Andre Durão

Ex-campeão do peso-pena, José Aldo - depois de enfrentar Alexander Volkanovski, neste sábado, no UFC Rio 10, na Arena da Barra -, terá de cumprir apenas mais uma luta restante em seu contrato com o Ultimate. Questionado se o assunto Conor McGregor era página virada ou ainda pensava em reencontrar o algoz no octógono para não encerrar sua trajetória sem nova oportunidade de enfrentar o irlandês, o brasileiro não quis falar sobre o rival, que o destronou do topo da categoria em 2015, ao nocauteá-lo em 13 segundos.

 

- Cara, vou falar bem a verdade. Uma coisa que pensei durante toda a semana é que, se perguntassem sobre isso, é que não falo sobre merdas. Ele (McGregor) é uma merda, então não falo sobre ele - declarou com exclusividade ao Combate.

 

Embalado por duas vitórias consecutivas - nocauteou Jeremy Stephens e Renato Moicano -, José Aldo pode se aproximar de uma disputa de título caso supere Volkanovski. Apesar de deixar o futuro em aberto, ele manifestou, diversas vezes, o desejo de se aposentar após o encerramento do vínculo com a organização. Um pensamento é definitivo: ele garante que não irá estender sua carreira como fizeram Anderson Silva, Rodrigo Minotauro e Vitor Belfort, por exemplo.

 

- Tenho que vencer no sábado, primeiramente, respeitar meu adversário. Tenho várias hipóteses na cabeça. No Ultimate vai ser sempre em busca do título. Foi assim no WEC, no Ultimate, não tem como fugir disso. (...) Eu procuro tomar de espelho os campeões. Vi o St-Pierre parando no auge, sempre foi meu sonho no Ultimate ser campeão e parar. Tudo pode mudar. Primeiramente temos que focar no próximo objetivo, vencer e aí ver se farei uma disputa de cinturão ou fazer superlutas. Uma coisa é certa: não me vejo lutando por muitos anos, como outros atletas. Estou me programando para isso.

 

José Aldo acredita que levar uma vida extravagante fora do octógono faz com quem muitos atletas precisem alongar suas trajetórias.

 

- Aquele que acha que, quando está no auge e ganha milhões, vai durar para sempre e gasta da mesma maneira, vai ter que esticar a carreira, passar por várias coisas ruins, porque não se programaram. Eu, desde que entrei no Ultimate, me programei para chegar aos 30 anos com a vida feita, a carreira tranquila, para dar uma vida melhor à família. Se hoje quero parar, é porque minha estabilidade financeira está boa, graças a Deus. Fiz tudo programado e chegou a hora. Nenhum atleta luta em alto rendimento a vida toda. Tem campeões que são diferentes, eu me coloco nesse bolo, sim, mas chega um momento que você não tem a mesma explosão física, não raciocina da mesma maneira, não tem o mesmo vigor de antes. Então, começa a passar certos sufocos que não precisa, começa a sujar a carreira. Eu nunca quis isso. Quero que todo mundo veja o Aldo como campeão e não como alguém que tem que lutar até os 40... A produção começa a cair, você passa por certas coisas que não acho boas para a minha carreira.

 

Confira outros trechos:

 

Treinamento

O treino foi basicamente o mesmo. Sempre procuro estar evoluindo, sim. Nessa posso estar com mais velocidades, explosão, do que as outras. É luta de três rounds, você pode dar mais porque sabe que acaba mais rápido.

 

Volkanovski vai tremer?

É um cara que vem pra cima o tempo todo, procura a luta, joga a direita por cima, é um ponto forte dele, mas também pode ser um ponto fraco. A gente pode fazer algo em cima disso. Treinei bastante, acredito na minha estratégia, que eu sei que vai dar certo. Qualquer atleta sente a pressão da torcida brasileira, não tem como não tremer. A gente fica relaxado quanto a isso, porque a torcida vai ser grande, o carinho dos fãs. Vão botar uma pressão que ele nunca viu.

 

Na minha cabeça sempre me vi como campeão, desde que entrei no esporte. Perder faz parte, sabia que poderia acontecer um dia. Faz parte. Procurei aprender com os erros, na derrota, o que me torna um lutador... não vou falar melhor, mas para não errar mais. Tirei como lição.

 

Anderson Silva

São duas carreiras brilhantes, nós dois merecemos respeito e tudo, mas posso ter me programado muito melhor do que o Anderson (em termos de aposentadoria). Ele teve o auge, teve tudo na mão dele. Hoje era para estar administrando, assim como o Georges (St-Pierre) e outros campeões fizeram.

 

Conversa com Anderson sobre aposentadoria?

A primeira pessoa que converso é o Dedé. Foi ele que me trouxe até aqui, me fez ser o campeão, que me faz ser a pessoa que sou hoje. Não tem como chegar e falar com o Anderson. Muitas coisas que ele faz eu não acho certas, não estou criticando, mas procuro ouvir da pessoa que me trouxe até aqui, que quer meu bem e sabe como sou. É difícil chegar para o Anderson, mesmo sendo meu amigo e tudo, porque tem certas coisas que eu não faria.

 

José Aldo x Anderson Silva: carreiras

A carreira, lado a lado... A dele representa muito. Foi uma inspiração para eu chegar ao topo e me manter por muito tempo. Eu o via como alvo para ultrapassar as barreiras. A carreira dele é brilhante. Faltou só uma oportunidade de lutar no peso de cima, porque acho que seria campeão. Eu o via campeão de duas categorias muito antes disso que vem acontecendo hoje, que é normal (ter dois cinturões).

 

Medo de sair do card devido à infecção

Fiquei com bastante medo, sim. Foi um sério problema. De início não achei que seria tão grave, mas fiquei achando que não ia lutar. Falava com o Dedé que não conseguia tocar o joelho no chão, mesmo depois de sair do hospital, então achava que não teria tempo hábil para treinar e chegar bem na luta. Os médicos falaram que era normal, que ficaria 100%. Depois que consegui colocar o joelho no chão, sem problema nenhum, vi que estava dentro da luta de novo.

 

Serviço do UFC 237

Na próxima sexta-feira, dia 10, a pesagem oficial terá transmissão ao vivo do Combate.com às 9h (de Brasília), com a aferição do peso de cada lutador e as confirmações dos confrontos. Mais tarde, às 17h30, começa a transmissão da pesagem oficial, com as encaradas, com transmissão do Combate, SporTV e Combate.com.

 

No sábado, dia 11, o UFC 237 terá início às 19h15, mas a transmissão do Combate começa às 18h15. O SporTV e Combate.com acompanham ao vivo as duas primeiras lutas, e o Combate.com cobre todo o evento em Tempo Real.

 

UFC 237

11 de maio de 2019, no Rio de Janeiro

CARD PRINCIPAL (23h, horário de Brasília):

Peso-palha: Rose Namajunas x Jéssica Bate-Estaca

Peso-médio: Jared Cannonier x Anderson Silva

Peso-pena: José Aldo x Alexander Volkanovski

Peso-meio-médio: Thiago Pitbull x Laureano Staropoli

Peso-leve: Francisco Massaranduba x Carlos Diego Ferreira

Peso-meio-pesado: Rogério Minotouro x Ryan Spann

CARD PRELIMINAR (18h15, horário de Brasília):

Peso-leve: Thiago Moisés x Kurt Holobaugh

Peso-galo: Irene Aldana x Bethe Correia

Peso-leve: BJ Penn x Clay Guida

Peso-mosca: Luana Dread x Priscila Pedrita

Peso-meio-médio: Warlley Alves x Sérgio Moraes

Peso-galo: Raoni Barcelos x Carlos Huachin

Peso-galo: Talita Bernardo x Melissa Gatto

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO