Mato Grosso, 25 de Agosto de 2019
Esportes
Brasil sofre com passe, é derrotado pela Argentina no Voleibol feminino
08.08.2019
16:24
FONTE: GloboEsporte

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • Brasil sofre com passe, é derrotado pela Argentina no Voleibol feminino

    — Foto: Divulgação/CBV

Faltou passe. Com apenas essas duas palavras dá para definir a atuação do Brasil contra a Argentina na segunda rodada dos Jogos Pan-Americanos. A recepção já tinha sido um problema contra Porto Rico na estreia, mas, contra um time mais qualificado tecnicamente, a derrota foi inevitável. As hermanas ainda contaram com um dia abençoado da oposta Fresco que fez 26 pontos, com uma eficiência de 59% no ataque, e que foi o principal destaque da vitória por três sets a zero (25/23, 25/19, 25/23).

 

O resultado coloca o Brasil em situação complicada no grupo. No Pan, o número de sets vencidos influencia diretamente na pontuação (veja a tabela aqui). A seleção aguarda o resultado de Estados Unidos contra Porto Rico, que acontece ainda nesta quinta para saber exatamente sua situação. Mas o mais provável é que no último jogo da fase de grupos, contra os EUA, o Brasil entre pressionado não só a vencer, como também a não perder dois sets para ir à semifinal. A partida entre Brasil e Estados Unidos será nesta sexta, às 15h (de Brasília). Com duas vitórias em dois jogos, a Argentina já está virtualmente classificada. Ela enfrenta Porto Rico também nesta sexta, às 17h.

 

Destaques

Lorenne não teve atuação de gala, mas foi bem. A oposta foi o grande desafogo do time em meio a tantos erros de passe. Ela terminou a partida com 18 pontos. Mara foi bem no ataque, mas faltou consistência no bloqueio. A meio terminou o jogo com 10 pontos. O grande destaque da partida foi a oposta argentina Fresco, que fez 26 pontos.

 

O jogo

Assim como na estreia contra Porto Rico, o Brasil começou o jogo errando demais no passe. Sem muita dificuldade, a Argentina abriu 6 a 3. Só que as hermanas também tinham seu calcanhar de Aquiles na recepção. E um bem conhecido. A ponteira Elina, que jogou a última temporada da Superliga pelo Barueri, time de Zé Roberto. Ela foi caçada no saque brasileiro. A tática surtiu efeito. Em bola de segunda de Macris, a seleção empatou em 6 a 6. O Brasil chegou a abrir três pontos (9 a 3). Mas os incontáveis erros de passe continuavam. Macris tentava se virar para armar as jogadas. Sem poder acionar as meios e com as ponteiras pontuando pouco, a levantadora passou a apostar muito em Lorenne, que estava bem na partida. O problema é que do outro lado a oposta argentina também estava muito bem. Fresco era a válvula de escape hermana. E foi ela quem empatou a parcial (14 a 14) e colocou seu time em vantagem (19 a 16). O Brasil reagiu na boa sequência de saques de Mara (22 a 22). Mas voltou a errar no passe e a Argentina fechou em 25 a 23.

 

A segunda parcial começou como um resumo da primeiro. O Brasil errando passes em sequência, Fresco garantindo os pontos argentinos e Lorenne sendo a válvula de escape da seleção. No primeiro tempo técnico, as hermanas tinham aberto quatro pontos (8 a 4). Mesmo errando alguns ataques também, a Argentina seguia se aproveitando dos erros brasileiros. Fresco em mais um ataque fez 17 a 12. A oposta tinha nesse momento já 17 pontos no jogo e um incrível aproveitamento de ataque de 72%. Paula Burgo entrou bem na inversão 5-1 e num bom saque Lara, parecia que a seleção iria reagir, mas a Argentina soube administrar e levou o set: 25 a 19.

 

O terceiro set começou, de novo, com erro de passe do Brasil. Só que dessa vez, Fresco retribuiu a gentileza e atacou para fora. Num ace de Macris, a seleção abriu uma pequena vantagem (7 a 5). Mas em um saque bem alto, Natinha e Maira deixaram uma para a outra e Argentina empatou de novo (8 a 8). Zé colocou Tainara no lugar de Lana em quadra, mas foi Lara quem fez o que parecia impossível: bloqueou Fresco e o Brasil voltou a abrir (11 a 8). Mais uma vez, Paula entrou bem na inversão 5-1. Com dois pontos seguidos dela, o Brasil abriu cinco pontos de vantagem (16 a 11). Parecia que a seleção estava com o set na mão. Mas tomou mais dois pontos em erros de passe e o rival encostou (17 a 16). Em um toco de Herrera em Lorenne, a Argentina empatou (20 a 20). As Hermanas viraram em um erro de Lorenne no ataque e aumentaram no ataque de Fresco (24 a 22). Coube à Elina fechar o set e o jogo em 25 a 23.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO