Mato Grosso, 23 de Julho de 2017
Esportes
Cego após toxoplasmose, químico paulista fatura o título mundial em Londres
17.07.2017
09:23
FONTE: G1

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • 35170420293_92f85135a1_k

Em 2009, aos 25 anos, o químico Alessandro Silva contraiu uma toxoplasmose, que lhe tirou a visão dos dois olhos gradativamente até ficar totalmente cego em 2013. Trabalhando até então como alinhador de carros, o gigante de 1,90m e 126kg teve de buscar um novo meio de vida, e, no mesmo ano de 2013, o paulista começou a praticar atletismo, especializando-se na prova do lançamento de disco para deficientes visuais. O crescimento no esporte veio de uma forma vertiginosa. Em pouco mais de três anos no esporte, Alessandro já era campeão dos Jogos Paralímpicos e recordista mundial (44,66m, estabelecidos em abril de 2017). Nesta segunda, o "Gigante de Ouro" confirmou a soberania da modalidade ao conquistar o título mundial do lançamento de disco F11 em Londres. O ouro veio com a marca de 43.32m.

 

- Eu já esperava um resultado bom. Não meço o resultado de quem vai ficar atrás de mim. Meu objetivo era manter a média que eu venho fazendo no Brasil desde a Paralimpíada. Queria o recorde mundial, mas faltou pouco. Mesmo assim fico muito feliz - disse Alessandro.

 

Nascido em Santo André, mas criado em Mauá, na Grande São Paulo, Alessandro formou-se em qúimica ainda jovem e chegou a trabalhar como professor. Anos depois, o "Gigante de Ouro" trabalhou em uma empresa de resíduos químicos, antes de virar alinhador de veículos. A partir de 2011, sua visão foi se denegerando aos poucos, como consequência de uma toxoplasmose contraída dois anos antes. Em 2013, quando começou no esporte paralímpico, Alessandro era apenas um frequentador assíduo de academias.

 

 

- Trabalhava em tudo o que estivesse ao meu alcance, só não gostava de ficar parado. Paralelo a isso, já fazia musculação e artes marciais apenas por hobby, porque devido ao estudo e ao trabalho não podia me dedicar só a isso. Depois que perdi a visão me empenhei totalmente ao esporte. Hoje estou aqui conquistando uma medalha de ouro em um Mundial - contou.

 

Casado com a comerciante Liene Vidal e pai de um garoto de dois anos, Alessandro lamentou não poder comemorar o aniversário do filho com a família em Mauá. Vestido com uma venda do super-herói Senhor Incrível, ele fez uma analogia entre a sua vida e o personagem.

 

- Às vezes os super-heróis escondem os poderes, mas hoje o Senhor Incrível apareceu. Você tem que fazer jus ao nome. Essa junção de tudo é incrível. Há dois anos estava no Pan e não vi o meu filho nascer. No ano passado, estava no Rio quando ele fez um ano e agora ele vai fazer dois anos e eu estou aqui ganhando medalha. É tudo incrível para mim. Ser um dos melhores lançadores do mundo é espetacular. Foi uma medalha incrível para o senhor incrível - filosofou.

 

Alessandro teve outros quatro concorrentes na final do lançamento de disco F11 do Mundial de Londres. A prata ficou com o austríaco Bill Marinkovic, que fez 33,42m de marca. Completou o pódio o colombiano Jose Alexis Angulo, com 32.19m. O brasileiro abriu a prova cravando 41,91m, o que já lhe dava a liderança. Quem chegou mais perto na primeira rodada foi Bill Marinkovic, com um lançamento de 33,42m.

 

Depois de queimar a sua segunda tentativa, Alessandro fechou a terceira rodada com um lançamento de 43,22m. A partir de então, o título já estava muito bem encaminhado e os demais atletas passaram a brigar apenas pelas duas medalhas restantes.

 

Com 32.19m no seu quinto lançamento, o colombiano Jose Alexis Angulo assumiu a terceira colocação na reta final da prova, jogando o polonês Miroslaw Madzia para quarto. Alessandro, por sua vez, fez 43.32m no seu quinto lançamento, melhorando ainda mais a sua marca. O paulista ainda queimou a sua última tentativa, mas o título já estava mais que assegurado. Foi a terceira medalha de ouro do Brasil no Mundial de Londres.

 

- Muita gente fala em sorte. Eu digo que quem treina muito tem mais sorte. Muitas vezes treino em três períodos por dia. Quando acham que cheguei ao máximo eu vou lá e faço mais - finalizou o campeão mundial.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO