Mato Grosso, 13 de Outubro de 2019
Economia / Agronegócio
Desempenho das carnes na exportação em abril de 2019
03.05.2019
15:15
FONTE: AviSite

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • Foto: Portal do Agronegócio

Frente às perspectivas que vêm sendo desenhadas, com certeza não é equivocado afirmar que as exportações de carnes continuam deixando a desejar. Pois em abril, mês com maior número de dias de embarques (21 dias úteis), o volume embarcado ficou aquém do atingido em março (19 dias úteis, segundo a SECEX/ME).

 

Em outras palavras, o volume global do quarto mês do ano recuou 2,5% em relação ao mês anterior, dessa queda apenas não participando – como seria de esperar – a carne suína. Ou seja: o volume de carne bovina caiu mais de 7% e o de carne de frango pouco mais de 2%. Porém, o volume adicional de carne suína foi pouco expressivo (3.589 toneladas, 7,5% a mais que as 47.447 toneladas de março último).

 

De toda forma, houve melhora no preço médio de pelo menos duas carnes. E o melhor desempenho coube, novamente, à carne suína, cujo preço médio no mês subiu quase 6%. A outra carne valorizada em abril foi a bovina, com valorização próxima de 2%. Assim, o único retrocesso de preço de março para abril ficou com a carne de frango, desvalorizada em quase meio por cento.

 

Tais resultados, naturalmente, refletiram-se de forma direta na receita cambial, que ficou negativa em relação a março passado. Quer dizer: a receita cambial da carne suína aumentou quase 14%. Mas como o produto tem menor participação nas exportações de carnes, seus ganhos foram insuficientes para reverter a queda de receita de quase 6% da carne bovina e de mais de 2% da carne de frango. Daí o setor ter encerrado o quarto mês do ano com redução próxima de 2,5% na receita cambial.

 

Nesta análise, seria normal ressaltar os grandes avanços em relação a abril de 2018. Mas – é preciso lembrar – os resultados de um ano atrás não podem ser aceitos “ao pé da letra”, pois então a SECEX iniciou a implantação de novo sistema de acompanhamento das exportações e, em consequência, os resultados de abril acabaram subestimados.

 

Aponta nessa direção o fato de o volume registrado naquele mês – pouco mais de 340 mil toneladas – corresponder a menos de 70% da média dos demais 11 meses de 2018 (489 mil/t). Ou seja: os resultados deste último abril devem ter sido superiores aos de abril do ano passado. Mas não nos níveis apontados pelos números oficiais.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO