Mato Grosso, 12 de Novembro de 2018
Variedades
Dívida causa vergonha em 30%, um sinal de alerta para a saúde mental
31.10.2018
16:15
FONTE: R7

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • 1504627581_image2

    ilustração

Dívidas causam vergonha em 30% dos inadimplentes. Além disso, aumentam a ansiedade e podem potencializar vícios em álcool, cigarro, comida e compras.

 

Isso é que mostrou uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (24) pela Confederação Nacional de Dirigentes (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

 

 

Cerca de 58% das pessoas afirmaram se sentir mais ansiosas depois que ficaram devendo, 52% mais estressadas, 47% angustiadas, 46% com sentimento de culpa e 41% desanimadas.

 

O levantamento ainda revelou que 22% descontaram a ansiedade provocada pelo problema em vícios com álcool, cigarro, comida e até em compras, agravando ainda mais a situação financeira. Cerca de 15% declararam que passaram a gastar mais que de costume e 22% não abriram mão das compras que fazem habitualmente.

 

A pesquisa foi realizada com 609 pessoas com contas em atraso há mais de 90 dias. Segundo o SPC Brasil, a amostra é representativa. Foram entrevistados homens e mulheres acima de 18 anos, de todas as classes sociais nas 27 capitais do país.

A ansiedade como o estado psiquíco mais frequente entre os inadimplentes não é um dado surpreendente, segundo a psiquiatra Carolina Hanna, do hospital Sírio-Libanês. “A ansiedade aparece em primeiro lugar porque é a manifestação mais comum, principalmente no Brasil. O país ocupa a primeira posição em transtornos de ansiedade do mundo”, explica.

 

Para ela, um dos aspectos que mais chama a atenção no estudo está relacionado às pessoas que relataram sentir vergonha da família e dos amigos por estarem endividadas. “Há duas sensações que são potencialmente arriscadas: a desesperança e a desmoralização. A desmoralização de não estar moralmente cumprindo com suas obrigações e a desesperança de não ver luz no fim do túnel. Elas são associadas a um aumento de risco de suicídio e são um sinal de alerta”, afirma.

 

Como o problema financeiro irá repercutir na saúde mental, vai depender da combinação entre propensão genética e comportamental. “Hoje o conceito de psiquiatria está muito baseado na combinação de genética e ambiente. Se a pessoa já tem genética mais propensa a transtornos, um estilo de ser mais preocupado, e tem que lidar com uma questão como uma dívida, isso pode culminar em um transtorno de ansiedade”, afirma.

 

“Um temperamento mais otimista às vezes lida melhor com uma dívida do que uma pessoa que tem mais dificuldade de desenvolver uma estratégia”, completa.

 

Partindo do princípio de que uma dívida pode ser um gatilho para problemas como transtornos de ansiedade, a psiquiatra orienta que a prevenção para passar por experiências desse tipo é fortalecer a saúde mental de uma maneira geral. 

 

“A questão é como tornar sua musculatura emocional mais forte para resistir às frustações da vida, nas quais a dívida está incluída”, explica.

 

Musculatura emocional previne transtornos

Para desenvolver essa musculatura emocional, ela recomenda a evitar o consumo excessivo de álcool, fator de risco à saúde mental, observar seu padrão de sono, pois alterações como dificuldade para dormir e para acordar ou acordar antes da hora podem ser indícios de depressão ou ansiedade, praticar atividade física, manter uma alimentação o mais natural possível, e ficar atento a seu estado emocional. Caso note alterações, como mudança de humor constante e inquietude, deve procurar um psicólogo ou psiquiatra para não deixar que a situação evolua.

 

“A qualidade das relações afetivas, o quanto a pessoa se sente bem em seus vínculos, isso também está associado a problemas como a depressão”.

 

No estudo, cerca de 40% declararam ficar facilmente irritados depois de terem se tornado inadimplentes, 40% mal-humorados, 33%, disseram sofrer de insônia, 33% comerem mais, 165 perderem o apetite e 24% apresentarem vontade de dormir fora do normal. 

 

 

“Para aqueles inadimplentes que têm privação social, muito provavelmente vão surgir transtornos de ansiedade ou transtornos por uso de substâncias. Entre os critérios que definem a privação social estão o tempo que leva para o deslocamento de casa ao trabalho, o tempo que tem para ficar com os filhos, o acesso à saúde e ao saneamento, se é área de violência urbana, além de ausência de lazer. Em São Paulo, as áreas que apresentam maior incidência de privação social são na periferia”, afirma.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO