Mato Grosso, 24 de Abril de 2017
Nacional / Internacional
É difícil algum modelo eleitoral ter 'tantos inconvenientes' como o atual, diz Gilmar
20.03.2017
16:38
FONTE: G1

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, criticou nesta segunda-feira (20) o atual modelo político-eleitoral e disse que “dificilmente” um novo sistema terá tantos “inconvenientes” como o atual.

A declaração foi dada durante entrevista a jornalistas após a abertura do Seminário Internacional sobre Sistemas Eleitorais, evento realizado pelo TSE e pela Câmara dos Deputados, em Brasília.

“Dificilmente terá um modelo com tantos inconvenientes como o que nós estamos vivendo agora. Especialmente com as coligações proporcionais, em que os candidatos se elegem com votos de terceiros, porque, em geral, não têm votos bastantes para o coeficiente eleitoral. No dia seguinte já estão divorciados”, disse Gilmar Mendes.

Ao criticar as coligações proporcionais, o ministro disse que, atualmente, “vota-se em Tirirca e elege-se Valdemar da Costa Neto e Protógenes Queiroz”.

O sistema atual permite a união de partidos nas eleições para deputados estadual e federal e para vereador, formando uma coligação. Na hora de votar, o eleitor pode escolher um candidato (voto nominal) ou apenas o partido (voto de legenda).

Quanto mais votos uma coligação obtiver (somando nominais e na legenda), mais vagas terá no Legislativo.

Na prática, coligações que têm candidatos bem votados ("puxadores de votos") e/ou muitos votos na legenda conseguem eleger também candidatos pouco votados.

Por isso, é comum ver um candidato ser eleito mesmo tendo menos votos que outro, de outra coligação, como é o caso do humorista Tiririca, que se elegeu nas duas últimas eleições pelo PR e, por ter obtido votação expressiva, elegeu outros deputados na mesma coligação. Ex-deputado pelo PR, partido a que Tirirca é filiado, Valdemar da Costa Neto foi condenado no mensalão do PT.

“No nosso sistema hoje, vota-se em Tiririca e elege-se Valdemar da Costa Neto e Protógenes. E se diz: ‘participei das eleições’. Por isso que as pessoas não sabem em quem votaram no final. Porque o voto tem pouco efeito, uma vez que é distribuído numa tecnicalidade do coeficiente eleitoral”, afirmou.

Questionado sobre possíveis alterações ao modelo, o presidente do TSE voltou a criticar o atual modelo, que, na visão de Gilmar, está “exaurido”.

“Sabemos o que não queremos. Não queremos mais esse sistema que aí está. Esse sistema de lista aberta, com coligação, sem nenhum freio nos levou a este estágio de hoje”, disse.

O modelo de voto em lista fechada, no qual o partido ordena conforme sua preferência uma sequência de candidatos e os eleitores votam na legenda, é um dos temas do seminário.

Vários parlamentares vêm defendendo o modelo. De acordo com o Blog da Andreia Sadi, esses políticos estão preocupados em se reelegerem e continuarem com o foro privilegiado.

Financiamento
Ao comentar os financiamentos de campanhas políticas, Gilmar disse que é “impossível se fazer financiamentos com recursos públicos”.

“Nós tivemos agora eleições municipais. Foram 460 mil candidatos a vereador, 40 mil candidatos a prefeito. Como se financia isso com dinheiro público? Calcule. Dê R$ 10 mil para cada candidato, o que é insuficiente, isso já seria R$ 4,6 bi. Como se financia a democracia? É essa a pergunta”, declarou.

“O vício [das eleições] se ampliou porque agora não temos mais financiamentos corporativos. Para onde vamos? Financiamentos via fontes irregulares ou, até, crime organizado”, problematizou Gilmar.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO