Mato Grosso, 18 de Setembro de 2019
Economia / Agronegócio
Manter árvores em áreas de integração é estratégico
22.08.2019
08:56
FONTE: Embrapa / Gisele Rosso

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • O manejo das árvores em áreas de integração Lavoura-Pecuária–Floresta é estratégico para garantir o equilíbrio desse sistema de produção. - Foto: Fábio Santos/Canal Rural

    O manejo das árvores em áreas de integração Lavoura-Pecuária–Floresta é estratégico para garantir o equilíbrio desse sistema de produção. - Foto: Fábio Santos/Canal Rural

O manejo das árvores em áreas de integração Lavoura-Pecuária–Floresta é estratégico para garantir o equilíbrio desse sistema de produção. O desbaste é uma das principais práticas para manter a produtividade da pastagem e melhorar a qualidade da madeira remanescente.

 

A retirada de parte das árvores favorece a incidência de luz necessária para o desenvolvimento da forrageira e da cultura agrícola. As que permanecem proporcionam conforto térmico aos animais.

 

De acordo com o pesquisador José Ricardo Pezzopane, da Embrapa Pecuária Sudeste (São Carlos – SP), vários são os benefícios da implantação do componente arbóreo em um sistema de produção, mas é importante o produtor saber qual sua finalidade para planejar o número de árvores por hectare. Se a finalidade for conforto térmico aos animais, não é necessário um número muito elevado. Cerca de 100 plantas por hectare são suficientes. No caso de agregar valor ao sistema, com o objetivo de obtenção de madeira, o ideal é mais de 150 por hectare.

 

O desbaste também depende da quantidade de árvores no sistema. Até 150 por hectare, geralmente, o produtor fará apenas o corte final. Se for eucalipto, em média, com 12 anos de idade. Em modelos com mais de 400 plantas por hectare, indica-se dois cortes em um ciclo de 12 anos para manter o equilíbrio do sistema.

 

Para saber o momento certo, Pezzopane recomenda o acompanhamento constante. “Monitorar o nível de retenção de luz pelas árvores. Quando esse nível passa de 35%, está na hora de fazer o desbaste”, explica. Verificar frequentemente o crescimento do diâmetro e da altura também contribui para definição do ponto ideal. 

 

A estabilização do crescimento das árvores é um indicativo para o manejo. Deve-se atentar ainda ao vigor das pastagens. Quando o pasto perde o potencial produtivo, a orientação é retirar algumas árvores. Outra recomendação é aproveitar as oportunidades de exploração da madeira para usos específicos na própria fazenda ou venda.

 

Em relação à idade do sistema, quando o produtor for fazer apenas um desbate, ele pode ser feito entre o sexto e o sétimo ano de implantação da ILPF. No caso de dois manejos, entre quatro e cinco anos, o primeiro; e, oito e nove, o segundo.

Sistema experimental

 

Na área experimental de ILPF da Embrapa Pecuária Sudeste está sendo realizado o segundo desbaste. O manejo, que começou em agosto, vai retirar cerca de 800 eucaliptos em 12 hectares.

 

O sistema foi implantado em 2011 com aproximadamente quatro mil árvores. Metade foi retirada no primeiro desbaste, que ocorreu em 2016.

 

No experimento estão sendo avaliados vários dados para aprofundar o conhecimento sobre esse conceito de produção mais sustentável. Um dos objetivos da pesquisa, segundo Pezzopane, é quantificar qual o potencial de um sistema integrado com árvores em sequestrar o carbono da atmosfera por meio da madeira.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO