Mato Grosso, 15 de Junho de 2019
Variedades
Maus hábitos estão diretamente relacionados à obesidade infantil
02.01.2019
09:38
FONTE: Gerseli Angeli e Turibio Barros

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • gettyimages_452267964

    Falta de estímulo dos pais para a prática de atividades físicas também agrava a situação

O sobrepeso e a obesidade na infância continuam a preocupar as entidades de saúde e, infelizmente, podemos dizer que não houve nenhum grande progresso de estratégias adotadas em relação ao problema nos últimos anos. Este problema acomete principalmente crianças que vivem nos grandes centros urbanos e as causas são várias. Existe um conjunto de circunstâncias que têm como vítimas exatamente as crianças e adolescentes:

 

Podemos destacar a “transferência” dos interesses relacionados à diversão infantil dos quintais, áreas abertas, parques, etc., para a “diversão virtual” dos videogames e programas de computador. Este certamente é o mais sedutor dos fatores de contribuição para a redução da atividade física infantil. Cada vez mais, as crianças estão substituindo as brincadeiras que antes envolviam movimento, pela contemplação da tela de um monitor, sentadas em uma poltrona.

 

Existe também a falta de estímulo dos pais para a prática de atividades físicas pelas crianças. Até por comodidade, muitos pais preferem proporcionar o uso de um tablet ou smartphone ao invés de procurar canalizar a energia que “transborda” nessa fase da vida para uma atividade física. Diariamente observamos situações nos mais diferentes ambientes que caracterizam o ato de mães e pais estimularem crianças a usar estes recursos tecnológicos para “ficarem quietos”.

 

Além dos problemas comportamentais acima discutidos, sem dúvida existe o problema dos maus hábitos alimentares. Neste caso também, muitas vezes, o comodismo dos pais interfere na adoção de uma dieta mais calórica e nutricionalmente inadequada. Sabemos que é muito mais difícil educar a criança para o consumo de alimentos menos calóricos e mais saudáveis do que ceder sem resistência, aos apelos do consumo de alimentos industrializados e ricos em conservantes e aditivos químicos, porém com estímulo sedutor e enorme “praticidade” de preparo.

 

Não podemos esquecer que certos hábitos, principalmente os inadequados, tendem a se perpetuar, o que enfatiza a necessidade de uma “vigilância” por parte dos pais, mesmo que isto signifique certo conflito e maior dificuldade para convencer a criança a aderir a hábitos mais saudáveis, porém este é um investimento que vale muito para o resto da vida.

 

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO