Mato Grosso, 20 de Setembro de 2019
Esportes
Médicos questionam informações sobre suposto tratamento de Michael Schumacher
12.09.2019
09:20
FONTE: GloboEsporte

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • Médicos questionam informações sobre suposto tratamento de Michael Schumacher

    — Foto: reuters

O suposto tratamento experimental ao qual Michael Schumacher estaria sendo submetido, com a injeção de células-tronco, foi questionado por médicos ingleses. Acidentado em dezembro de 2013, o heptacampeão da F1 teve graves lesões cerebrais e pouco se soube oficialmente desde então. Nesta semana, o jornal "Le Parisien" informou que Schumi, de 50 anos, teria dado entrada num hospital de Paris para receber o tal tratamento, mas nada foi confirmado. Ao jornal Daily Express, a diretora do Centro de Pesquisa sobre Coma do Instituto Neurológico de Milão (Itália), Matilde Leonardi, se mostrou muito cética.

 

- Não há tratamento experimental com células-tronco que tenha um efeito positivo para pacientes em estado de consciência mínima como Michael Schumacher. As notícias divulgadas sobre o ex-piloto estão apenas alimentando falsas esperanças e iludindo as famílias dos pacientes. Ontem de manhã recebi duas ligações telefônicas de parentes de dois pacientes que queriam informações para permitir que seus filhos acessassem o mesmo tratamento. Eu me vi explicando que não sabemos nada sobre a existência desse tratamento - disse a médica.

 

Para Leonardi, existe uma precipitação em relação aos tratamentos com células-tronco, e que ainda não é possível confiar numa solução de problemas neurológicos e de medula com esse tipo de abordagem:

 

- Todos esperamos que sim, mas a verdade é que (o tratamento) não existe, pelo menos por enquanto. Infelizmente, estudos conduzidos com células-tronco para doenças que afetam o cérebro e a medula não deram os efeitos esperados.

 

Já o professor Brendon Noble, da Fundação Britânica de Células-Tronco, não acredita que o eventual tratamento divulgado tenha a ver com as lesões neurológicas, mas, na melhor das hipóteses, para tratar de alguma outra infecção:

 

- Eu acho que é improvável, porque foi há muito tempo. A menos que tenha havido algumas complicações. Parece improvável para mim. Mas eu definitivamente não descarto isso. Nós simplesmente não sabemos - disse ele ao "Daily Mirror".

 

Por fim, o cirurgião ortopédico da Clínica Regenerativa de Londres, Nima Heidari, caso o tratamento divulgado seja verdadeiro, dificilmente seria aprovado no Reino Unido dada a tramitação demorada.

 

- Tem que haver evidência suficiente para que ele obtenha o selo de aprovação. Conseguir esse selo de aprovação às vezes requer uma quantidade enorme de investimentos - comentou.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO