Mato Grosso, 24 de Junho de 2017
Mato Grosso
MT registrou 230 casos de violência contra idosos em 2016
18.06.2017
15:27
FONTE: G1MT

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • campanha_de_nao_violencia_contra_o_idoso

    MT registrou 230 casos de violência contra idosos em 2016 (Foto: SES/MT)

Mato Grosso registrou 230 denúncias de violência contra idosos ao longo do ano de 2016, segundo dados da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh). No mesmo ano no estado, segundo o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde, foram notificados 99 casos de violência física contra a pessoa idosa.

 

De acordo com a Sejudh, muitos desses casos passam pela rede pública de saúde a partir do atendimento da vítima em uma policlínica, Posto de Saúde da Família (PSF), pronto-socorro ou hospital.

 

Esse tipo de violência é de notificação compulsória e é feita por meio da ficha de notificação e investigação individual de violência. O Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa foi lembrado no dia 15 de junho.

 

Para Mato Grosso, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2016 o número de idosos residentes no estado era aproximadamente 330 mil (10% da população).

 

O instituto prevê que em 2030 a projeção é que o estado contará com uma população idosa de aproximadamente de 600 mil indivíduos (17% da população).

 

São considerados casos de violência contra o idoso aqueles de violência física, psicológica, moral, financeiro ou econômico, negligência, abandono, sexual, tráfico de pessoas, trabalho escravo, tortura, intervenção legal contra mulheres e homens em todas as idades.

 

Os municípios com maiores registros são: Sinop, com 18,1%; em segundo lugar Juína com 12,1%; e empatados estão Guarantã do Norte e Cuiabá com 10,1% dos casos registrados.

 

Os tipos de violências mais frequentes são: física com 58% e, em segundo lugar, a violência psicológica com 27,7% dos registros. Entre os agressores o desconhecido aparece em primeiro lugar com 21,2%; depois o filho com 13,1% e, em terceiro, aparece o cônjuge com 8,1% dos casos.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO