Mato Grosso, 20 de Novembro de 2017
Variedades
Obesidade infantil: 3 problemas inofensivos que podem pesar na balança
09.11.2017
09:23
FONTE: Crescer

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • obesidade_infantil

    Divulgação

Seu filho é ativo e segue uma dieta balanceada, dando prioridade a alimentos de baixa caloria, mas ainda assim está obeso? Há algo de errado nessa história. Confira três problemas aparentemente inofensivos que podem pesar na balança:

 

1 - Falta de sono

Não dormir direito faz a fome disparar e o peso também. Um estudo feito pelo Departamento de Ciências Nutricionais da Universidade Estadual da Pensilvânia (EUA) mostrou que quem dorme menos de sete horas tem quantidades maiores de grelina, hormônio que aumenta o apetite. Mas não é só isso! Não ter uma boa noite de descanso também altera o metabolismo basal, que é a quantidade de calorias que o organismo gasta em repouso para manter as funções vitais. Se o corpo não se recupera direito, ele fica lento, queimando poucas calorias. Portanto, leve seu filho para a cama cedo. Segundo um estudo da Universidade Harvard Medical School (EUA), as necessidades de sono em cada faixa etária são as seguintes: crianças de 6 meses a 2 anos precisam dormir pelo menos 12 horas por dia; de 3 a 4 anos, são necessárias dez horas de sono; e de 5 a 7 anos, nove horas por noite. Menos que isso, aumentam as chances de desenvolver obesidade.

 

2 - Remédios de uso contínuo

Alguns medicamentos também podem fazer o peso dos pequenos subir. Os corticoides, por exemplo, têm na fórmula ativos que causam retenção de líquidos e diminuem o metabolismo basal. Já os antidepressivos, principalmente os que contêm carbonato de lítio, e alguns anti-histamínicos, à base de cetirizina ou fexofenadina, costumam aumentar a fome. Isso sem falar dos antipsicóticos para controle de transtorno de humor, como a clozapina e a risperidona, que podem alterar o metabolismo da glicose, fazendo o organismo acumular gorduras onde não deve. Portanto, só medique o seu filho com recomendação médica. Se ele começar a ganhar muito peso, converse com o especialista para que juntos vocês avaliem os riscos e os benefícios da droga e, se for o caso, procurem outras alternativas. Afinal, um problema não pode ser substituído por outro.

 

3 - Pouca água

Muitas vezes, a sensação de fome é causada por... sede. Tanto nos adultos quanto nas crianças. Sendo que para elas é ainda mais difícil distinguir uma da outra. A falta de líquido leva ao consumo de alimentos que podem ser calóricos, somando muitos quilos na balança. Segundo pesquisa publicada no American Journal of Public Health, mais da metade das crianças e adolescentes americanos não bebe água suficiente. Não há uma pesquisa assim específica sobre o tema no Brasil, mas os especialistas acreditam que o resultado seja semelhante por aqui. Por isso, atencão! Como nem sempre a água exerce atração por si só, cabe aos pais estimular o consumo. Ofereça-a sempre que possível. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, crianças de 1 a 3 anos devem consumir 1,3 litro de água por dia. Dos 4 aos 8 anos, a quantidade recomendada é de 1,7 litro. Seu filho bebeu água hoje?

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO