Mato Grosso, 20 de Março de 2019
Nacional / Internacional
Presidentes de três bancos públicos são empossados em Brasília
08.01.2019
06:56
FONTE: Governo do Brasil

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • 1c40c919_61c4_4c0b_bfbf_92ecf61c7480

    O presidente da República, Jair Bolsonaro, participou da cerimônia de nomeação - Foto: Alan Santos/PR

Com a missão de missão reduzir distorções no mercado de crédito brasileiro e equilibrar os juros cobrados pelas instituições financeiras, foram empossados nesta segunda-feira (7) os presidentes dos três maiores bancos públicos do Brasil. Rubem Novaes assume o Banco do Brasil; Pedro Guimarães a Caixa Econômica Federal; e Joaquim Levy o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

 

Em cerimônia no Palácio do Planalto que contou com a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro, os três foram nomeados pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. "Existe dinheiro barato que está sendo desvirtuado de um lado e um muito caro do outro lado... esse tipo de distorção é que essa equipe vai mexer”, resumiu.

 

BNDES

Depois da nomeação, Joaquim Levy afirmou que vai melhorar as contas do BNDES e reduzir o uso de dinheiro público na instituição. De acordo com Levy, é preciso repensar a maneira de trabalhar, de organizar as contas e melhorar as contas do banco de fomento. “Vamos continuar ajustando todo o balanço do banco", disse o novo presidente do BNDES.

 

Banco do Brasil

O novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, defendeu uma administração eficiente e transparente. Novaes lembrou que o País enfrentou um período de grave crise e que, agora, o governo e os bancos públicos vão atuar para ajudar a melhorar as condições econômicas do Brasil. “Tenho certeza que com a equipe que estamos montando esses objetivos serão plenamente cumpridos”, afirmou.

 

Caixa Econômica Federal

Já o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse que vai adotar medidas para mudar o cenário do País por meio do microcrédito. Também afirmou que, nos próximos 30 dias, vai percorrer todas as unidades da federação para ouvir o que as pessoas pensam e necessitam da Caixa. “Nosso foco são as comunidades carentes, onde a Caixa tem impacto muito grande [...] podemos devolver cidadania a essas pessoas”, salientou. 

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO