Mato Grosso, 19 de Outubro de 2020
Variedades
6 dicas fundamentais para quem quer estudar no exterior
26.06.2020
FONTE: redaçao

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • imagem_1_1
  • imagem_2_1

Estudar no exterior é o desejo de muitos brasileiros. Seja para aprender uma nova língua, aproveitar a chance de viver em outro país ou se especializar em alguma área de conhecimento, um intercâmbio é sempre uma experiência enriquecedora pessoal e também enriquece o currículo. A oferta de cursos e oportunidades é cada vez maior, em praticamente todos os cantos do mundo.

 

Não importa se você escolhe fazer o intercâmbio por meio de uma agência especializada – que existem aos montes por aí – ou se prefere fazer tudo por conta própria, estudar fora também exige uma enorme preparação para que a experiência seja a melhor possível e não traga sustos no meio do caminho. Portanto, é importante ter em mente alguns pontos que te acompanharão durante todo o processo. Abaixo, listamos seis dicas fundamentais se você quer fazer um intercâmbio. Confira!

 

Tenha em mente o tipo de intercâmbio que você quer

O primeiro grande passo é saber exatamente o que você procura em um intercâmbio. As possibilidades são diversas. Como estamos falando de estudar no exterior, deixemos de lado algumas modalidades como voluntariado, work & travel e au pair. As mais tradicionais são os cursos de idiomas e universidades, tanto em graduação quanto em pós-graduação.

 

É importante conhecer o que cada tipo oferece e se isso vai de acordo com seios anseios para o intercâmbio. Uma boa pesquisa nos sites das instituições pode fornecer informações valiosaspara a sua experiência, como por exemplo a grade curricular. Também vale a pena conversar com pessoas que já fizeram o intercâmbio que você deseja - há uma série de fóruns e grupos de Facebook voltados para isso.

 

Pesquise a fundo o local para onde você vai 

Realizar um intercâmbio significa viver em um país completamente diferente. São outros costumes, outra língua (mesmo se você for para Portugal, saiba que o português de lá tem muitas diferenças), outra cultura, outro clima. Isso sem mencionar detalhes como voltagem de aparelhos elétricos, por exemplo.

 

É fundamental fazer uma pesquisa bastante aprofundada sobre a cidade e o país para onde você irá se mudar. Se possível, tenha um mapa com os principais lugares bem demarcados, como o Consulado brasileiro local ou a filial da sua agência de intercâmbio.

 

Faça um planejamento financeiro

Não adianta tentar embarcar em um intercâmbio da noite pro dia. Fazer qualquer viagem para o exterior já requer um planejamento financeiro bastante minuciosos, imagina viver em um país estrangeiro por semanas ou meses. Você precisa ter em mente qual o seu caixa, ou seja, quanto dinheiro terá para gastar em um determinado período.

 

Uma boa dica é montar uma planilha e estimar quanto irá investir, e os gastos não são poucos – alimentação, transporte, lazer, moradia, seguro, documentos, passagens aéreas. Além disso, é sempre bom manter uma reserva para alguma emergência. Em alguns casos, como intercâmbios universitários, há bolsas de estudo que tornam o orçamento mais viável. Outros alunos optam por encontrar algum emprego no exterior. De uma forma ou de outra, nunca deixe de contabilizar suas despesas, por menor que ela seja.

 

Saiba quais documentos são necessários

Também é preciso estar atento à documentação. Via de regra, você precisará de um passaporte (alguns países da América do Sul não exigem), e esse documento demanda um certo tempo para ficar pronto. Portanto, não deixe para última hora! Além disso, há os vistos que variam de país para país. É importante consultar o Consulado em questão para saber quais os documentos você precisará.

 

No caso de cursos de MBA, por exemplo, você também precisará atestar sua fluência no idioma local. O domínio da língua geralmente é comprovado pelos exames de proficiência que são aplicados por instituições renomadas. Esses testes exigem preparação prévia, pois medem a capacidade do estudante de se comunicar na língua estrangeira, sendo requisitos básicos exigidos pelas universidades em países como Estados Unidos, Reino Unido, França e Espanha.

 

Escolha o tipo de acomodação correto para você

É importante ter cuidado na hora de escolher um lugar para morar. Os tipos mais comuns são os alojamentos estudantis, albergues, casas de família e hotéis. Não existe uma escolha melhor que a outra, você é que precisa adequar cada tipo ao seu estilo de vida e ao seu orçamento.

 

Muitos optam por moradias coletivas para ter contato com outros estudantes – e essa costuma ser a opção mais barata. No entanto, há quem prefira uma maior privacidade e acabe optando por opções individuais, o que pesa mais no bolso.

 

De uma forma ou de outra, uma adaptação é necessária, sobretudo se você escolher morar em uma casa de família. Também fique atento se a acomodação que você escolher tem alimentação inclusa – caso contrário, é mais um item para colocar no orçamento.

 

Faça um bom seguro saúde

Por fim, mas não menos importante, é crucial ter um seguro saúde. Em alguns países, trata-se de um requisito obrigatório, mas outros não o exigem. No entanto, não deixe de contratar um bom serviço para o caso de qualquer necessidade médica no país para o qual você está indo.

 

Faça uma pesquisa prévia de empresas que oferecem esse tipo de seguro e o que está incluso em cada pacote, além dos valores. Isso evita muitos contratempos caso aconteça algum imprevisto em sua viagem, como uma doença ou um acidente.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

ARTIGOS RELACIONADOS
ENVIE SEU COMENTÁRIO