Mato Grosso, 24 de Maio de 2020
esportes
Ainda sem noção real do impacto da paralisação, desportistas preparam retomada de atividades
17.04.2020
FONTE: Assessoria

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • pepe_cover

Desportistas de todo o mundo começam a planejar a retomada das atividades, embora ainda não haja noção real dos impactos que a paralisação forçada das competições e preparações de atletas e equipes por conta do novo Coronavírus. Enquanto preparam o retorno, atletas divergem sobre o futuro. De acordo com entrevista publicada pelo site de apostas Betway Esportes, o calendário de 2020 pode sofrer prejuízos significativos. Confederações como a UEFA, sofrem pressão pelo retorno. A grande dificuldade é que a maioria dos países decretaram fechamento de suas fronteiras e já começam a faltar datas para competições importantes como a Champions League. A possibilidade de cancelamento de competições chegou a ser cogitada, mas em algumas ligas, como a Premier League, não deve ocorrer. Pelo menos é a esperança dos torcedores do Liverpool, líder com 25 pontos de vantagem sobre o segundo lugar, e tido como favorito em 99,9% das (1) casas de apostas esportivas online. “Sairemos mais fortes, melhores, mais gentis e um pouco mais gordos”, brinca o técnico do Manchester City, Pepe Guardiola, que discorda da retomada de competições sem a presença de público, como medida para evitar aglomerações e propagação do Covid-19. “Estamos aqui pelo público”, declarou.

 

Das grandes ligas europeias, a Bundesliga é a que já dá sinais de movimentação: todos os clubes de volta aos treinamentos, mas com jogadores ainda mantendo o distanciamento de pelo menos dois metros um do outro. A data oficial para o retorno segue a mesma: 4 de maio.

 

Enquanto permanece indefinida a data de retorno, as equipes tentam ajustar a preparação física dos atletas. Mesmo que eles estejam em suas casas. Com base em planilhas elaboradas pelas equipes, os jogadores vão se ajustando a uma nova rotina, sendo acompanhados remotamente pelos preparadores. A ideia é que eles estejam com algo em torno de 50%, 60% do condicionamento físico caso o calendário seja retomado em breve, levando em conta que não haverá muito tempo para preparação. “Acho que o importante é manter o cérebro ocupado e, claro, mantermo-nos ativos. Nós, jogadores, recebemos os treinos que o Manchester City nos mandou. Bicicleta e o esquema que temos de seguir para termos a certeza que estaremos bem quando a temporada voltar”, explica Kyle Walker, jogador do City.

 

A paralisação afeta todas as modalidades esportivas e força todos a se ajustarem à situação. Os nadadores, que buscam manter o nível para participar das Olimpíadas de Tóquio, ficam praticamente impossibilitados de fazer a parte mais importante do treino: nadar, já que nem possuem piscina para treinar em casa. Recordista mundial dos 50 metros costas em piscina curta, Etiene Medeiros reconhece que a temporada já está perdida. No caso dos judocas, também há dificuldade para manter o nível técnico, pois as restrições ao Covid-19 impedem os treinos com outros judocas. Não é possível mensurar o prejuízo e as dificuldades para a retomada do nível técnico para competir em uma Olimpíada. Como nem todos conseguiram a qualificação, eles ainda precisam passar por eventos, para só depois pensar na olimpíada propriamente dita. O tenista não teve outra alternativa a não ser manter o preparo físico neste período de paralisação dos treinos técnicos.

 

Mas ainda há quem viu benefício na paralisação forçada. No vídeo divulgado pela Betway Esportes , o maratonista brasileiro, Paulo Paula, que mora e treina em Portugal, vai usar esse hiato para descansar o corpo. Aos 40 anos de idade, com duas Olimpíadas na bagagem e pré-convocado para os jogos de Tóquio, o atleta não consegue nem lembrar a última vez que pôde fazer isso. “No segundo semestre os atletas vão ter que retornar com toda a energia, tem muita competição acumulada”, pontua. 

 

Enquanto aguardam as definições pelas entidades que comandam os esportes, os atletas vão procurando ajustar suas rotinas e retomar o foco, mesmo sem saber qual será o futuro do esporte por causa do Covid-19 (2).

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

ARTIGOS RELACIONADOS
ENVIE SEU COMENTÁRIO