Mato Grosso, 22 de Outubro de 2021
Economia / Agronegócio
Alta no preço da carne bovina provoca aumento nos custos de cortes menos nobres
14.10.2021
10:23
FONTE: Redação com Assessoria

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • Foto: Reprodução

    Foto: Reprodução

A alta dos preços da carne refletiu nos custos dos cortes de segunda e de terceira.

 

Açougues relatam que carcaça temperada, pé de galinha e pescoço, além de outras partes de boi, vaca e porco, tiveram um aumento de procura e também encareceram.

 

Não há dados nacionais sobre esses cortes. Em São Paulo, por exemplo, o pescoço de frango teve elevação 15,79% no preço em setembro na comparação com os 12 meses, segundo a consultoria Safras e Mercados.

 

A carcaça temperada de frango subiu 45%, o dorso, 60%.

 

Já entre os produtos suínos, a maior alta foi no espinhaço do porco, conhecido por suã, que aumentou 23,91%, e a orelha que subiu 20%.

 

Segundo uma rede de açougues, com lojas em São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Espírito Santo, Rio de Janeiro, essas carnes foram as mais vendidas por conta da crise.

 

O pé de frango lidera, com um crescimento de 26% no consumo.

 

A Rede de Açougues afirma ainda que as 'carnes de ossos', como eles classificam as partes menos nobres, ficaram 100% mais caras entre o início da pandemia e agora.

 

A alta acumulada no preço da carne bovina chegou a 36% entre agosto de 2020 e o mesmo período de 2021, segundo o IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

 

 

O frango encareceu até mais nesse período: 40,4%. E os ovos subiram 20%.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO