Mato Grosso, 26 de Fevereiro de 2021
Política
Deputado Silvio Fávero apresenta projeto para tornar não obrigatória vacina contra Covid-19
16.01.2021
09:51
FONTE: Redação com Assessoria

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • d707d0911213eae7a3051368e068f5a5

O deputado estadual Sílvio Fávero (PSL) apresentou no final do ano passado um projeto de lei que desobriga os mato-grossenses a serem imunizados contra a Covid-19. A proposta foi protocolada na Assembleia Legislativa e deve ser levada a votação nos próximos dias. 

 

De acordo com o parlamentar, o objetivo da lei é assegurar o direito de o cidadão mato-grossense escolher ou não pela sua vacinação, além de estabelecer que o direito de escolha pela vacinação é individual.

 

O direito a não obrigatoriedade da vacinação se estende aqueles que residirem no Estado de Mato Grosso, mas que não apresentarem qualquer sintoma provocado pela Covid-19.

 

O parlamentar justifica que há insegurança quanto à eficácia e eventuais efeitos colaterais das vacinas e acredita que isso colocará vidas em risco.

 

A proposta de Fávero segue o pensamento do governo Jair Bolsonaro, de não interferir na escolha individual. Porém, segue na contramão de especialistas em saúde pública que defendem a imunização em massa afim de diminuir os riscos de infecção e da ocupação de leitos de UTI de pacientes com a doença, principalmente levando em consideração os riscos de reinfecção de pessoas.

 

Atualmente existem duas vacinas cogitadas a serem usadas pelo Governo Federal na vacinação da população brasileira. Uma delas tem sido bastante questionada por estar sendo desenvolvida por um laboratório chinês em parceria com o Instituto Butantã. O imunizante, segundo os pesquisadores, tem eficácia de mais de 50%, dentro dos padrões estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

No ano passado, Fávero chegou a difundir fakenews em pronunciamento na Assembleia Legislativa, quando afirmou que municípios recebiam recurso para cada paciente tratado como sendo por Covid-19, dando a entender que o número de casos positivos da doença estava superestimado.

 

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO