Mato Grosso, 28 de Janeiro de 2022
Nacional / Internacional
Médica diz que UTIs estão lotadas de não vacinados e prevê colapso do sistema de saúde
13.01.2022
09:12
FONTE: Redação com Assessoria

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • Foto: Divulgação

    Foto: Divulgação

A intensivista e cardiologista Ludhmila Hajjar declarou que atualmente as UTIs, Unidades de Terapia Intensiva, estão lotadas de pacientes não vacinados contra a Covid-19 e alertou para os danos da doença entre profissionais da saúde.

 

A médica foi cotada para assumir o Ministério da Saúde no lugar do ex-chefe da pasta, o general Eduardo Pazuello, em março de 2021, mas recusou o convite do presidente Jair Bolsonaro.

 

Ludhmila classificou como “brutal” a diferença entre o impacto da contaminação pela variante ômicron entre vacinados e aqueles não imunizados ou que não completaram o ciclo de imunização.

 

Segundo a médica, os vacinados dificilmente desenvolvem casos graves da doença.

 

 “As UTIs estão atualmente só com casos de Covid entre os não vacinados. Os imunizados dificilmente passam do atendimento ambulatorial. Como intensivista, tenho visto cada vez mais pacientes internados arrependidos de não terem sido vacinados. Eles chegam com a forma grave da doença, se arrependem, porém, já é tarde”, destacou a doutora Ludhmila.

 

Segundo a médica, “em uma semana os sistemas de saúde deverão entrar em colapso no Brasil” pelo aumento no número de pessoas com infecções, e pela quantidade de profissionais da saúde afastados por também estarem contaminados pela Covid-19.

 

Em Mato Grosso, segundo o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, apesar do aumento no número de casos de Covid-19 em Mato Grosso, ainda é pequena a incidência de casos graves entre os infectados e a taxa de mortes entre os pacientes vacinados é de apenas 0,28%.

 

 “Entre aqueles que precisam de internação, mais de 95% não tomaram sequer uma dose de vacina”, lamentou Figueiredo.

 

 

Segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde, cerca de um milhão e 300 mil pessoas não se vacinaram completamente, o que representa quase um terço da população de Mato Grosso.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO