Mato Grosso, 20 de Setembro de 2020
Variedades
Poliglota lança livro com 60 idiomas e bate recorde
24.04.2012
08:19
FONTE: RankBrasil / Fátima Pires

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • Em ‘Babel de Poemas’, Carlos Freire apresenta 60 textos de consagrados autores estrangeiros, todos traduzidos para o português
O poliglota Carlos Amaral Freire entra em 2012 para o RankBrasil – empresa que registra recordes brasileiros – por apresentar a Antologia poética com maior número de idiomas traduzidos pela mesma pessoa. 

A obra ‘Babel de Poemas – Uma antologia multilíngue’ possui 60 composições poéticas em diferentes línguas, todas traduzidas para o português. 

Segundo o autor e recordista, a ideia de escrever uma antologia multilíngue surgiu primeiramente por um motivo didático. “O livro nasceu do desejo de divulgar no Brasil o conhecimento de importantes literaturas estrangeiras, através de poemas curtos e de comentários sobre as línguas traduzidas e os autores”, conta. 

Outra intenção de Carlos Freire foi apresentar idiomas pouco conhecidos por leitores de língua portuguesa, entre eles, macedônio, luxemburguês, romanche, sardo, friulano, bretão, galês, armênio, maltês, basco e suaíli: “Algumas dessas línguas foram certamente traduzidas do original ao português, pela primeira vez”. 

Seleção de poesias e autores
A escolha das poesias traduzidas no livro ‘Babel de Poemas’ foi bastante pessoal. Conforme Carlos Freire, dos poemas clássicos, ele escolheu aqueles que mais gostava.

“Das línguas pouco conhecidas traduzi as poesias que consegui, muitas vezes com o auxílio inestimável e generoso de embaixadas sediadas no Brasil ou mesmo no exterior”, agradece. 

Em relação aos autores, o recordista optou pelos consagrados, conhecidos em seus respectivos idiomas, entre eles, William Shakespeare, Alexander Pushkin e Goethe.

O poliglota
Professor aposentado, Carlos Freire nasceu na cidade de Dom Pedrito – RS e atualmente mora em Florianópolis – SC. Ele tem 80 anos de idade e há mais de 50 estuda ao menos duas línguas por ano, ininterruptamente.

Seu interesse pelo estudo das línguas surgiu quando ainda era estudante de ginásio. O recordista percebeu que ler os clássicos estrangeiros em traduções representava uma enorme desvantagem. “Somente as obras originais oferecem o pleno prazer estético da leitura”, destaca. 

Descobertas
O fascínio pelo estudo de outros idiomas proporcionou a Carlos Freire a descoberta de outras culturas e maneiras diferentes de pensar: “Conhecer uma língua significa a capacidade de ler, compreender e de me fazer entender”. 

Em busca do novo, ele viajou pelo mundo, estudando, entre outros países, na França, Itália, Rússia, Estados Unidos, China e Alemanha. “O domínio de línguas estrangeiras nos fornecem, talvez a ferramenta mais eficiente, para o conhecimento e a aceitação do diferente”, revela. 

Título de Cambridge
Por seus estudos, Carlos Freire é considerado pelo Centro Biográfico Internacional de Cambridge/ Inglaterra, um dos mais notáveis intelectuais do século 21, no campo de Linguística e Educação. 

Aprendizagem
Em relação à dificuldade para aprender outros idiomas, Carlos Freire diz que depende, principalmente, do conhecimento de cada estudante. 

“As línguas estruturalmente (gramaticalmente) mais próximas de nossa língua materna, como é o caso do espanhol, italiano e francês, são mais fáceis de ler e compreender”, afirma. 

Por outro lado, segundo ele, isso não significa que sejam necessariamente mais fáceis de serem faladas. “No caso do espanhol, a maior dificuldade para o domínio do idioma, acontece justamente pela sua semelhança com o português”, completa. 

Esforço e autodisciplina
Sobre a aprendizagem de outros idiomas, no ponto de vista do recordista, há pessoas mais propensas, por se sentirem fascinadas pelas línguas estrangeiras: “O prazer é fundamental para esse tipo de estudo”.

Carlos Freire não acredita que o poliglotismo é uma dádiva de Deus, um dom especial exclusivo de algumas pessoas. “O domínio de outros idiomas é resultado de muito esforço, perseverança e autodisciplina”, enfatiza.  

Idade inicial para aprender
Para os pais que querem incentivar seus filhos a estudarem outras linguagens, a dica do poliglota é começar o mais cedo possível. Segundo ele, aos cinco anos de idade a criança já conhece todos os fonemas de sua língua materna e não será difícil para ela aprender os fonemas de outros idiomas. 

Dedicação reconhecida
Conquistar um recorde brasileiro, através do ‘Babel de Poemas’, para Carlos Freire significa revelar oficialmente um trabalho de mais de 50 anos de dedicação: “O livro foi feito em benefício da cultura e da busca incessante do conhecimento humano, por meio da linguística”. 

Estudo contínuo
Conforme o recordista, o título do RankBrasil também proporciona um momento de reflexão. “Pessoalmente vejo que o que aprendi ainda é pouco em relação ao muito que devo aprender”, diz. Carlos Freire finaliza com um trecho de ‘Bhagavad Gita’, texto religioso Hindu: “O conhecimento nos leva à modéstia”.

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO