Mato Grosso, 13 de Julho de 2020
Esportes
Dos meninos do Botafogo aos testes do Volta Redonda, o retorno do Campeonato Carioca em dez tópicos
29.06.2020
10:06
FONTE: GloboEsporte

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

  • Dos meninos do Botafogo aos testes do Volta Redonda, o retorno do Campeonato Carioca em dez tópicos

    Saulo Mineiro comemora o gol com seu companheiro: protesto contra o racismo — Foto: André Durão

Até que mais rodadas aconteçam sem registros de problemas, até que a tranquilidade se estabeleça, vai ser preciso continuar fazendo tudo certo. Ser exemplar. Não que seja previsível o campeonato que já registrou tantas polêmicas transcorra sem nenhum inconveniente. A rodada da re-volta, o segundo retorno, teve alta média de gols, grande atuação de Germán Cano, atropelamento do Volta Redonda sobre o Fluminense e dúvidas sobre os procedimentos depois dos testes positivos.

 

Em dez tópicos, os pontos mais importantes do estadual mais barulhento do Brasil:

 

1. O ADITIVO DO PROTOCOLO

 

A Federação do Estado do Rio publicou um complemento ao protocolo Jogo Seguro - Fase II, em 19 de junho. O aditivo diz: "A concentração não se faz necessária ou pode ser por tempo inferior a 48h caso seja utilizado o Teste Rápido para e, desta forma, servir como parâmetro de detecção do antígeno viral nas vias aéreas. A comprovação da realização do Teste Rápido para Covid-19 supre, a qualquer tempo, a necessidade de concentraão." Se o complemento está aprovado pela Secretaria de Saúde, está resolvido. Mas fica a pulga atrás da orelha. Se os jogadores que testaram positivo treinaram com todo o grupo na véspera, ninguém pode ser contaminado?

 

2. ALTA MÉDIA DE GOLS

 

Ao contrário da Alemanha, cuja média de gols caiu de 3,2 para 2,7 por partida na rodada de abertura, o Campeonato Carioca viu a média subir para 4 por partida no domingo -- 3,16 contando os jogos Bangu 0 x 3 Flamengo, Portuguesa 0 x 0 Boavista, na semana anterior. Antes da paralisação, a média era de 2,42 por jogo.

 

3. FLUMINENSE ATROPELADO

 

Odair Hellmann teve apenas oito sessões de treinos, apenas quatro trabalhos táticos e isto ficou visível pela falta de velocidade da equipe. Exposto ao contra-ataque, levou o primeiro gol num contra-golpe mortal com apenas dois homens contra três do Volta Redonda. O Fluminense dirá que não houve isonomia, porque treinou muito menos do que o Flamengo, em atividade desde 24 de maio. Os pequenos, o Flamengo e a federação responderão que o Fluminense tinha liberação para os treinos a partir de 1 de junho e não treinou, porque não confiou na liberação das secretarias de saúde.

 

4. GERMÁN CANO

 

De novo, o Vasco dependeu de seu atacante argentino, brilhante e decisivo aos 32 anos, mesmo com a paralisação de 105 dias. Neste ano, o Vasco marcou apenas 11 gols. Oito foram anotados por Germán Cano, dois por Werley e um por Andrey.

 

5. O RETORNO DE FRED

 

O terceiro maior goleador do Fluminense, com 172 gols, precisa de apenas 12 para alcançar Orlando Pingo de Ouro e ficar atrás apenas de Waldo na galeria histórica. No retorno ao Flu, depois de 1486 dias -- sua última atuação tinha sido em 6 de junho de 2016, num 0 x 0 contra a Chapecoense -- Fred começou abrindo espaços, saindo da área, mas disputou apenas 45 minutos. Saiu pela falta de ritmo de jogo, quando o Fluminense perdia por 1 x 0. Termino 3 x 0.

 

6. OS MENINOS DO BOTAFOGO

 

O Botafogo passou a quarentena pensando em contratar Yaya Touré, Robben e Salomon Kalou, que não jogava bem no Hertha Berlim. No retorno, a impressão é a de ser muito mais real e sóbrio investir nos jogadores que forma. Os destaques da vitória sobre a Cabofriense foram Luís Henrique e Caio Alexandre, meninos da base. Há seis anos, o Botafogo não marcava seis gols numa partida.

 

7. VOLTAÇO VOANDO

 

Durante a pandemia, houve quem garantisse que o Volta Redonda já estava treinando há mais de um mês. A direção do clube do norte fluminense garante que não. Não havia liberação das autoridades municipais e o Volta Redonda teve apenas dois dias a mais de treinos do que o Fluminense. Foram dez, contra oito do Flu. Mas, em campo, o ritmo de jogo, a força e a velocidade foram desproporcionais.

 

8. TRÊS JOGOS PARA O BI DO FLAMENGO

 

O tropeço do Fluminense permite ao Flamengo ser o melhor na classificação geral, desde que vença o Boavista no meio de semana. Neste caso, terá a chance de ser bicampeão carioca vencendo as finais da Taça Rio. Só haverá decisão se um time diferente do Flamengo for campeão do segundo turno ou se outro clube somar mais pontos na classificação geral. Como o Fluminense se complicou neste último critério, o Flamengo pode estar a três partidas de ser bicampeão.

 

9. VAI DER DURO FAZER TABELA

 

A Federação do Estado do Rio deixou as datas de quarta e quinta-feiras livres para definir as partidas dependendo das que sejam decisivas. Assim, se houve dois ou mais jogos sem importância para a classificação, poderia jogar essas partidas para quinta-feira. Ficou mais difícil, porque são cinco os jogos decisivos: Flamengo x Boavista, Botafogo x Portuguesa por um grupo, Macaé x Fluminense, Vasco x Madureira e Volta Redonda x Resende por outro. É provável dividir um grupo na quarta-feira e outro na quinta-feira.

 

10. ARENA MADUREIRA

 

O muro, atrás de um dos gols do estádio Aniceto Moscoso, em Madureira, trazia a inscrição: ARENA MADUREIRA. Mas logo agora que o Barcelona decidiu jogar com uma camiseta igual à do Tricolor Suburbano, o nome do estádio poderia ser simplesmente CONSELHEIRO GALVÃO. Arena Madureira, não!

IMPRIMA ESSA NOTÍCIA ENVIE PARA UM AMIGO

NOTÍCIAS RELACIONADAS
ENVIE SEU COMENTÁRIO